sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

Luisa do Saco

A anciã vivia de esmolas, mas era seletiva.

Vagava pelas ruas da cidazinha, todos seus pertences cabiam em um saco plástico, o que lhe valeu o apelido.

O jeito de bruxa velha e aquela saia de cigana esfarrapada - esfarrapada a saia ou a cigana?- metia medo na molecada (naquele tempo não se usava queimar os desfavorecidos).

Seu abrigo querido, a rodoviaria, antiga estação de trem dos tempos aureos do café.

Lá barganhava uma pinga no bar e gastava suas horas observando quem chegava ou ia embora.

Se pudesse viajar, para onde iria Luisa do Saco?

♥♥♥
Making-Off
Diz a lenda que em um ano novo, dona Luisa tomou banho e foi embora para São Tomé das Letras.

Um comentário:

Maria disse...

Conheci a Luiza do Saco. Tinha unhas sujas e compridas, usava a saia esfarrapada, tinha cabelos longos e desgrenhados.
Não sabia que ela tinha ido prá São Tomé das Letras, mas se ela foi pra algum lugar, deve estar lá mesmo, tentando contato com os ETs.
Só sei que ela sumiu e virou uma lenda!Tudo que ela tinha estava no saco que ela carregava.
Beijos, Lu.