terça-feira, 2 de outubro de 2012

Muita roda, muita lata.

Embalada em traje (ultraje?) social , sonho com um jeans sofrido
Tatuagens lacradas sob as mangas da camisa
Pés deprimidos nos sapatos de menina clamam as botas raladas
No lugar da maquiagem discreta, miro olhos borrados de vento
Café botequento de beira de pista, luvas já com o jeitão das mãos, bandana, vai no bolso a carteira presa à corrente.
Vontade de mandar janela à fora as parafernalhas tecnológicas escravizantes,e no pacote despachar a roupinha engana-chefe,
camisa passadinha e sapatos da cinderela
Rádio ligado, amarrada pelo cinto de segurança, a pensar  no batidão da traquitana carburada
Trânsito parado, muita roda, muita lata.

Making-off
Não tem , corrijam a gramática se eu pequei.
                                                                Tô enferrujando!