quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Novo de novo

Ano novo de novo, sem juras nem promessas
Que venham o bom e o simples
Asfalto, acostamento e café de beira de estrada
Cheiro de gasolina e pancadão das traquitanas carburadas
Frio na Anchieta
Pista em noite de lua cheia
Varanda e conversa na cozinha
Manhã de chuva para vadiar na cama
Tubaína, almoço na padaria, e coxinha no posto de gasolina
danadice e marvadeza

*******